BIG News
Para Abílio Diniz, a cultura do Pão de Açúcar na Casas Bahia é incipiente.

Cultura do Pão de Açúcar na Casas Bahia é “incipiente”

O presidente do conselho de administração do Grupo Pão de Açúcar, Abilio Diniz, disse ontem à noite que a migração de cultura da empresa para a Casas Bahia “ainda está muito incipiente”, dois anos e meio após a finalização do acordo final de associação entre as empresas.

“Eu diria que ainda está muito incipiente a nossa cultura lá. Colocamos na Casas Bahia a Betânia Tanure [consultora de gestão empresarial], que é uma profissional ótima, porque eles também têm uma cultura muito forte” e continuou: “Nós chamamos de cliente o consumidor e eles chamam de freguês. O seu Samuel Klein sempre chamou de freguês. Então essas coisas de difundir cultura você tem que ir mais lento quando é assim. É importante ter inteligência para ir mais lento.”

Abilio Diniz esteve ontem à noite em palestra na Casa do Saber, em São Paulo, para apresentar algumas visões sobre gestão a um grupo pequeno de ouvintes. Ele comentou a entrada de advogados no conselho de administração da Viavarejo, empresa formada da associação de Casas Bahia e Ponto Frio.

Valor revelou que dois advogados de cada uma das empresas (GPA e Casas Bahia) entraram no conselho. Ambos atuam em escritórios da área de contencioso. A escolha dos novos nomes acontece a menos de dois meses do término do período de restrição à venda de ações da Viavarejo. O Grupo Pão de Açúcar e Casas Bahia não podem se desfazer de seus papéis até julho, segundo acordo assinado entre os controladores em 2010. Além disso, circularam informações no ano passado, como relatou na época o Valor, da possibilidade de negociação da Viavarejo, como parte de um acordo futuro entre Casino e Abilio Diniz.

Sobre a questão do conselho da Viavarejo, e a entrada dos advogados, Abilio disse: “Nós fizemos a mudança porque os dois membros que foram substituídos estavam sem agenda. No caso deles [Casas Bahia] eu não sei, Eu espero que tenha sido uma troca normal também”. Questionado sobre possíveis negociações para aquisição da da participação da Casas Bahia na Viavarejo após julho, Abilio disse que “não tem nada disso, nem da parte deles, nem de nossa parte”.

Casino

Durante a sua palestra, Abilio Diniz foi perguntado sobre o projeto de fusão com o Carrefour, que foi levantado no ano passado. Ele não fez declarações a respeito, mas em um determinado momento, quando comentava assuntos relacionados à gestão da empresa, ele disse: “Se Deus chegasse e perguntasse para mim o que poderia ser mudado na minha vida, eu diria nadinha. Eu não mudaria nadinha. (…)Só me ajuda a resolver o problema lá com o francês que está bom”, brincou.

O francês é Jean Charles Naouri, presidente do Casino, e sócio do grupo na empresa. Diniz e o Casino passaram por alguns desgastes no ano passado, quando veio à tona o projeto de fusão de GPA e Carrefour, defendido por Abilio, mas criticado pela empresa francesa. A declaração foi dada depois que Abilio disse acreditar que o Casino “o quer lá”, na empresa, como resposta ao questionamento a respeito da data de 22 de junho, quando o grupo francês passa a assumir o controle do GPA. A partir de então, Abilio se mantém como presidente do conselho de administração do GPA, mas o Casino passa a ter a maioria dos membro do conselho da empresa.

Ao ser questionado sobre o projeto de fusão com o Carrefour, Abilio disse que não comentaria o assunto.  “É uma pergunta que não vou responder. Por mais cuidado que tenha em respondê-la, nunca dá certo, então prefiro não falar disso”.

Você encontra o original por Adriana Mattos no Valor aqui.

Comentários

comentário(s)

Sobre Carlos Galassi

Arquiteto formado pela FAU/UFBa, possui especialização (MBA) em Gerenciamento de Projetos na FGV. Tem ampla experiência na implantação, gerenciamento e manutenção predial de empreendimentos de grande porte da Construção Civil, já tendo desempenhado estas atividades fora do Brasil. Além de Desenvolvedor e Editor do BIG, atua como Voluntário no PMI Capítulo Bahia como Diretor de Comunicação e Marketing e é sócio da OCA Solutions, empresa de consultoria empresarial.

Confira também

A triste geração que virou escrava da própria carreira

E a juventude vai escoando entre os dedos. Era uma vez uma geração que se …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *