BIG News
Home / Gestão / Construção Civil / Emprego em queda na Construção civil
Foto: Carlos Galassi

Emprego em queda na Construção civil

Emprego na construção civil começa o ano em queda em todo o País, mostra SindusCon-SP – para o sindicato, resultado causa espanto no setor, já que mês costuma ser de contratações.

Segundo dados do Sindicato da Indústria da construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) divulgados nesta segunda-feira (14), a construção civil brasileira registrou queda de 0,1% no nível de emprego em janeiro na comparação com o mês anterior. O dado causa espanto ao setor, já que o primeiro mês do ano costuma ser de contratações.

A taxa equivale a uma quantidade de 2,8 mil postos de trabalho a menos no mercado, considerando fatores sazonais. O número de vagas fechadas em dezembro já tinha sido considerável: 32,1 mil empregos (-1,08%). A pesquisa foi realizada pelo SindusCon-SP em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e com base nas informações do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE).

A análise por segmentos revela que a maior retração deu-se na área de preparação de terrenos (-1,08%), seguido de infraestrutura (-0,9%). No acumulado do ano, contra o mesmo período do ano anterior, o segmento imobiliário caiu 17,61%.

Em relação às regiões do Brasil, as mais afetadas, em ordem decrescente, são: Norte (-1,89%), Nordeste (-0,69%), Centro Oeste (-0,22%), Sudeste (0,07%) e Sul (0,92%).

O presidente do sindicato, José Romeu Ferraz Neto, declarou que “pelo segundo ano consecutivo, tivemos redução do nível de emprego em janeiro, um mês que normalmente é de contratações na indústria da construção, depois da queda sazonal que costuma ocorrer nos meses de novembro e dezembro”.

Para ele, o dado é “preocupante [e] reforça a necessidade de maior rapidez na adoção de medidas de estímulo à construção, tais como: novas concessões e parcerias público-privadas federais, estaduais e municipais que sejam realmente atrativas aos investidores nacionais e estrangeiros; desburocratização na aprovação de projetos e financiamentos; e incentivos à industrialização de obras”.

Estado de São Paulo

No estado de São Paulo, o emprego registrou alta de 0,76% em relação a dezembro, considerando efeitos sazonais. No total, foram 5,7 mil novas vagas de trabalho. Ao desconsiderar a sazonalidade, o declínio foi de -0,76% (-6 mil vagas).

No período estudado, o melhor desempenho deu-se no segmento de obras de instalação (1,53%). O estoque de trabalhadores subiu de 767,8 mil em dezembro para 773,6 mil em janeiro. Entre as regionais, em 12 meses Presidente Prudente apresentou a maior queda (-16,13%). A capital, que representa 45% do total de empregos do setor, apresentou retração de 11,49% no mesmo comparativo.

Por regiões, as variações mensais foram, em ordem decrescente: Presidente Prudente (3,38%), Ribeirão Preto (3,16%), São José do Rio Preto (2,85%), Santo André (1,92%), Sorocaba (1,71%), Campinas (1,25%), Sede (capital) (0,05%), Santos (0%), Bauru (-0,32%) e São José dos Campos (-0,54%).

Revisão de estoque de empregos 2014

A série de emprego da construção, desde 2013, foi revisada após a divulgação do Relatório Anual de Informações Sociais (RAIS) 2014 do MTE. No estado de São Paulo, foi possível notar, a partir da consolidação de 2014, que, apesar da queda do número de postos de trabalho de dezembro de 2013, ela não foi tão acentuada como vinha indicando o acompanhamento mensal do Caged. A variação de estoque foi de 2%, e não de 3,7%. Ainda foi levantado que o número de vagas diminuiu para 3,38 milhões, e não para 3,31 milhões, o que representou uma diferença de 2%.

Notas e Referencias

Interessado em noticias e informações sobre Gestão na Construção Civil? Então confira aqui uma listagem completa das publicações feitas aqui no BIG!
 
Gostou do nosso conteúdo? Então curta a nossa página no Facebook!
 
O artigo original por Luísa Cortés, no portal PINIweb, você confere aqui.

Comentários

comentário(s)

Sobre Carlos Galassi

Arquiteto formado pela FAU/UFBa, possui especialização (MBA) em Gerenciamento de Projetos na FGV. Tem ampla experiência na implantação, gerenciamento e manutenção predial de empreendimentos de grande porte da Construção Civil, já tendo desempenhado estas atividades fora do Brasil. Além de Desenvolvedor e Editor do BIG, atua como Voluntário no PMI Capítulo Bahia como Diretor de Comunicação e Marketing e é sócio da OCA Solutions, empresa de consultoria empresarial.

Confira também

Drones: inovação nas construtoras!

Empresas usam pequenas aeronaves não tripuladas para prospectar terrenos, apresentar etapas da obra e promover …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *