BIG News
Home / Gerenciamento de Projetos / Gerenciamento da Comunicação / A teoria da comunicação afetiva
Comunicação Afetiva

A teoria da comunicação afetiva

por Luis Alcubierre*

As interações e os relacionamentos sociais têm passado por um processo de transformação radical em que o resultado contradiz com aquilo que esperamos e, mais do que isso, que desejamos no contato com as pessoas. Embora a pressa seja inimiga da perfeição, urge prestarmos atenção em comportamentos básicos e em regras de convivência que o tempo está fazendo questão de levar e fazer-nos esquecer. A problemática é mundial, mas há um processo em andamento entre os brasileiros que descola as atitudes atuais de traços culturais tão característicos de sua história. Não me refiro, talvez, à relação entre amigos ou mesmo à vida no campo, mas a uma síndrome típica do cotidiano urbano, em um contato na rua, no trânsito, no cinema, ao telefone, em qualquer lugar. Estamos mais intolerantes e desconfiados e isso obviamente não cria nenhuma harmonia.

Sobram exigências e expectativas por parte de todos nós, mas também pululam frustrações e impotência ao não vê-las serem cumpridas. A continuidade dessa sistemática vai criando um parafuso sem rosca porque, ao mesmo tempo em que há uma percepção comum de que a relação entre as pessoas está mais fria e egoísta, por outro pouco estamos fazendo para mudá-la.

Se a era da contemplação já era, isso se deve, em grande parte, à incompetência que temos tido de decodificar uma série de benefícios que o progresso e a tecnologia nos trazem. Por um lado o conforto e a produtividade cresceram, mas por outro estamos obcecados por fazer mais em menos tempo, nos equivocando apenas em um detalhe: nem sempre o que estamos fazendo é necessário, ou melhor. Estamos mais conectados do que nunca e desde que a convivência passou a se chamar networking e as empresas passaram a abrir novos canais de comunicação com seus clientes, passamos a produzir mais e mais oportunidades de contato. Há de se imaginar que as relações humanas, por consequência, passaram a ser mais frequentes, o que, em teoria, dariam uma boa prosa. Mas será mesmo que a qualidade da comunicação cresceu na mesma proporção?

Não faria sentido apresentar o problema sem ao menos arriscar uma solução e ela, seguramente, passa por aspectos conhecidos. Atitudes que vem do berço estão sendo deixadas pelo caminho porque a educação está se perdendo na casa e o ensino está se perdendo na escola. Os “por favores”, os “obrigados”, os “com licenças”, os “vocês primeiros” não devem ser vistos como um protocolo social, mas como uma atitude legítima e espontânea pela crença de que estamos tratando de uma senha e uma célula de sobrevivência e, por que não dizer, de satisfação e felicidade. Falamos do respeito que as pessoas merecem umas das outras. Portanto, a comunicação precisa, mais do que uma mensagem e dois personagens, precisa de uma atitude em prol do bem comum.

Está na hora de olhar pelos olhos dos demais. A perspectiva do outro deve ser levada em conta, ainda que ela não esteja de acordo com aquilo que pensamos. Até porque o outro pode ter razão. Falta escuta, sobra discurso; falta conversa, sobra rispidez e mau humor; falta gentileza e cordialidade. A exigência do aqui e do agora está nos distraindo em relação às pessoas.

É aqui que deve entrar a afetividade tão em falta na relação do eu e do outro. A mesma que recebemos em nossos primeiros anos de vida através da oxitocina produzida no corpo de quem nos gera. O hormônio da confiança que fortalece a relação entre mães e filhos deve ser gerado, ainda que artificialmente, em qualquer interação, e deve ser visto com a mesma importância que a adrenalina na hora do prazer e a serotonina na hora do relaxamento. Sem isso, a vida não produz nada de bom. Preocupe-se mais com os demais e você estará preocupando-se também com você. O contrário já não é verdadeiro. A comunicação afetiva nada mais é do que a construção de diálogos em alto nível onde o conteúdo importa menos do que a forma.

Notas e Referencias

Luis AlcubierreLuis Alcubierre é jornalista e publicitário. Começou sua carreira no Sistema Jornal do Brasil e na Rádio Eldorado, tendo migrado para a Comunicação Corporativa no final dos anos 80, quando iniciou na Comunicação Interna da Dow Química. De lá para cá, estruturou as áreas de Comunicação da TNT Express Worldwide, da Redecard e da Atento, na qual também esteve à frente do Marketing. Ao voltar de uma experiência na Europa, onde liderou a área global de Marca e Comunicação da então empresa do Grupo Telefônica,  assumiu a Diretoria de Comunicação Institucional da Samsung para a América Latina e hoje está à frente da Comunicação Institucional da Pernambucanas.

Se você quiser saber um pouco mais sobre comunicação com foco no Gerenciamento de Projetos, indicamos os seguintes artigos:

  • Comunicação efetiva – conseguir resultados como gerente de projetos geralmente está relacionado á passar a mensagem correta.

A equipe do BIG agradece ao Luis por ceder a divulgação do seu artigo!

Tem algum artigo e quer compartilhar com a gente? É só entrar em contato que publicamos com o maior prazer!

Não esqueça de deixar o seu comentário!

Comentários

comentário(s)

Sobre BIG Project Brasil

Um blog com informações sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão, Economia, Projetos e Construção e muito mais! Eleito por dois anos consecutivos TOP 2 pelo Juri Acadêmico na Categoria Blog Corporativos Profissional no TOPBLOG, maior prêmio da internet brasileira (2012 e 2013).

Confira também

Delegar, seus riscos e benefícios

Como todo gerente de projetos ou líder de equipe sabe, delegar tarefas e atividades ajuda …

Um comentário!

  1. Pois é meu nobre Luis Alcubierre, olha aí o seu retorno às letras publicado no BIG! Parabéns!