BIG News

Um exemplo a ser seguido

Para obter a certificação AQUA, concedida pela Fundação Vanzolini, o edifício Eólis atingiu o nível excelente em três categorias, superior em sete e bom em outras três.

O Edifício Eólis, que já era considerado um marco em soluções sustentáveis, obteve outro feito ao se tornar o primeiro edifício em operação a receber a certificação AQUA, da Fundação Vanzolini. Localizado na Avenida Carlos Gomes, em Porto Alegre, o empreendimento, em uso desde 2005, é equipado com um gerador de energia eólica com capacidade de gerar 2.600 watts, ou 2,6 kWh/mês instalado no topo do edifício.

No país, o maior consumo de energia ocorre das 18h às 21h, período em que os ventos em Porto Alegre são mais fortes, garantindo energia barata para as áreas comuns do prédio. A energia gerada entra direto na rede distribuidora do edifício, conforme previsto no projeto desenvolvido em 2003, quando ainda não se falava em sustentabilidade.

DESAFIO DINÂMICO

O diretor da Inovatech Engenharia, Luiz Henrique Ferreira, afirma que, embora o empreendimento já tenha sido projetado seguindo princípios sustentáveis, faltava mensurar o desempenho das soluções visando obter a certificação AQUA. A tarefa se tornou mais trabalhosa pelofato de o prédio já estar em operação.

Ferreira conta que foi preciso demonstrar que tanto a construção quanto a operação do edifício eram sustentáveis. “Foi um trabalho intenso de três meses. Fizemos o levantamento, desde o projeto executivo da obra até os alvarás de regularidade, e verificamos que toda a documentação ambiental estava conforme”, afirma.

SELO AQUA

Para obter a certificação foi avaliado o desempenho do edifício nas 14 categorias do Processo AQUA, que exige os seguintes resultados: nível excelente em três categorias; quatro no nível superior e sete no bom. O Eólis superou as exigências e obteve nível excelente em três categorias, superior em sete e bom em outras três.

O QUE FOI EXCELENTE

Esse nível foi obtido na escolha integrada dos produtos, sistemas, e processos construtivos; na gestão dos resíduos de uso e operação do edifício, e na categoria manutenção e permanência do desempenho ambiental. “A classificação foi melhor do que a exigida pelo AQUA” comemora Ferreira.

USO DIÁRIO

Além do processo inicial de diagnóstico, também foi avaliado se a operação permitia o aproveitamento adequado por parte dos usuários e dos benefícios oferecidos pela edificação. “Uma coisa é analisar o que foi feito, outra é saber se as pessoas estão tirando o melhor proveito disso”, pondera.

Ferreira conta que havia envolvimento dos usuários, mas eles não estavam extraindo o máximo da sustentabilidade do edifício. Na questão dos resíduos, apesar do pré-dimensionamento, da definição do fluxo e do destino final, eles não sabiam ao certo como deviam proceder.

Os elementos embarcados que colaboram para o conforto térmico e a eficiência energética também estavam sendo mal utilizados. O edifício é dotado de brise-soleil para possibilitar a iluminação natural, impedindo a incidência da radiação solar, evitando calor excessivo, e os escritórios são equipados com persianas do tipo cortina rolô. No entanto, segundo o diretor da Inovatech, alguns usuários mantinham as persianas fechadas o dia todo. Por isso, foram sugeridas mudanças de comportamento, visando o uso correto das persianas, o que reduz o uso de energia elétrica, tanto para iluminação quanto para o ar-condicionado. “Isso teve impacto direto no dia a dia dos usuários”, diz.

FASES

Luiz Henrique Ferreira explica que o processo de certificação AQUA ocorre em duas etapas. A primeira avalia o programa da operação, quando é feito o diagnóstico e reformulação dos processos de gestão, cuja certificação foi obtida no início de 2012. Já a segunda, que contempla gestão do uso e operação, é avaliada pela Fundação Vanzolini um ano depois, para ver se tudo está sendo cumprido. “A certificação definitiva do Eólis só será obtida após a primeira verificação anual, que será realizada no início do ano que vem”, afirma.

OUTROS EXEMPLOS

O Eólis foi pioneiro no Brasil. Mas além dele, existem outros cinco empreendimentos em operação que estão buscando a certificação AQUA. Para Ferreira o Eólis é um case muito particular porque já tinha alto nível de sustentabilidade. “Nosso trabalho foi organizar as rotinas de operação e ajudar o condomínio e os usuários a utilizarem melhor o que o edifício oferece. É importante frisar que eles tomaram as decisões certas na hora certa. Fizeram tudo de maneira planejada e estruturada, com pessoas competentes. Sem dúvida, é um exemplo a ser seguido”, conclui.

Original na AECWeb você encontra aqui.

Comentários

comentário(s)

Sobre Carlos Galassi

Arquiteto formado pela FAU/UFBa, possui especialização (MBA) em Gerenciamento de Projetos na FGV. Tem ampla experiência na implantação, gerenciamento e manutenção predial de empreendimentos de grande porte da Construção Civil, já tendo desempenhado estas atividades fora do Brasil. Além de Desenvolvedor e Editor do BIG, atua como Voluntário no PMI Capítulo Bahia como Diretor de Comunicação e Marketing e é sócio da OCA Solutions, empresa de consultoria empresarial.

Confira também

Legislações sustentáveis

Em terceiro lugar no ranking mundial, o Brasil é uma das nações mais avançadas em quantidade …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *